quinta-feira, 30 de junho de 2016

A expansão e as bandeiras no estado de São Paulo







A história das bandeiras realizadas nas três primeiras décadas do século XVII apresenta dois lados bastante conflitantes.
Os documentos históricos existentes revelam horrores de toda a natureza praticados principalmente contra os indígenas brasileiros, como a morte ou escravização de aproximadamente 500 mil índios, destruições de reduções jesuíticas e devastação de cidades. Por outro lado, esta mesma história vem coberta de lendas e interpretações que nos mostram estes homens como heróis, chamados de “raça de gigantes”, corajosos, desbravadores, que se tornaram os principais responsáveis pela expansão territorial do Brasil.
A origem da denominação bandeiras para as expedições organizadas por iniciativa de particulares, ou seja, sem o financiamento do governo português, nasceu do costume tupiniquim de levantar uma bandeira em sinal de guerra.
Neste período a colonização do Sul seguiu rumos diferentes daqueles usados no Norte do país. As notícias da existência de imensas riquezas minerais no interior do continente, como as encontradas no México e no Peru, despertaram a cobiça e o interesse pelas regiões do interior. A Argentina era conhecida como “terra da prata”, e o litoral sul do Brasil como “costa do ouro e prata”.
Inicialmente, alguns grupos começaram a se deslocar da capitania de São Vicente em busca de indígenas para os trabalhos na lavoura e passaram a entrar em choque com os aldeamentos organizados pelos jesuítas.

DEBRET, Jean-Baptiste. Soldados e índios de Curitiba levando selvagens presos. 1834.


 DEBRET, Jean-Baptiste. Soldados e índios de Curitiba levando selvagens presos. 1834.
DEBRET, Jean-Baptiste. Soldados e índios de Curitiba levando selvagens presos. 1834. Litografia, 32,6 cm x 21,2 cm. Século XIX.


A vila de São Paulo, situada na capitania de São Vicente, foi o principal centro irradiador das bandeiras, em razão de fatores econômicos, sociais e geográficos.
A população que vivia nesta região era pobre e isolada, sobrevivendo basicamente da lavoura de subsistência, sendo obrigados a produzir suas próprias ferramentas, armas, roupas, móveis e utensílios domésticos.
A utilização do indígena como escravo nas lavouras era a solução para a falta de mão de obra, já que não dispunham de capital para comprar o escravo negro africano. Gradativamente, o índio passou a ser uma mercadoria rentável, pois começou a ser vendido como escravo em outras capitanias, tornando o seu apresamento uma atividade importante e lucrativa.
A intensificação das bandeiras ocorreu partindo do planalto de Piratininga, aproveitando-se dos rios Tietê, Paraíba do Sul, Paraná e outros, que foram usados como vias naturais da penetração para o interior.

JÚNIOR, Almeida. Partida da Monção. 1897.


 JÚNIOR, Almeida. Partida da Monção. 1897.
JÚNIOR, Almeida. Partida da Monção. 1897. Óleo sobre tela, 640 cm x 390 cm. Museu Paulista.


O bandeirismo tornou-se uma atividade importante, cuja técnica passava de pai para filho. Pouco a pouco foram se tornando verdadeiras povoações que se deslocavam e, como a expedição podia durar longos períodos, era preciso parar e fazer roças de mantimentos, o que ocasionava o surgimento de povoações na sua passagem.
As primeiras expedições de bandeirantes buscavam o apresamento de indígenas que pudessem ser vendidos como escravos, porém, em seguida, passaram a procurar metais e pedras preciosas.

O nome do rio Tietê é de origem tupi e significa “rio verdadeiro” ou de “águas verdadeiras”. Ele é um dos rios mais famosos do Brasil por cortar a cidade de São Paulo e o estado de sudeste a noroeste.


 O nome do rio Tietê é de origem tupi e significa “rio verdadeiro” ou de “águas verdadeiras”. Ele é um dos rios mais famosos do Brasil por cortar a cidade de São Paulo e o estado de sudeste a noroeste.
O nome do rio Tietê é de origem tupi e significa “rio verdadeiro” ou de “águas verdadeiras”. Ele é um dos rios mais famosos do Brasil por cortar a cidade de São Paulo e o estado de sudeste a noroeste.









Links:


Sanderlei Silveira

Conheça seu Estado - História e Geografia

Poesia em Português, Inglês, Espanhol e Francês

Obra completa de Machado de Assis

História em 1 Minuto

Curso de Idiomas (Inglês e Espanhol)

Áudio Livro

Livros - Online

Billboard Hot 100 - Letras de Músicas

Developer - Treinamento, Manuais, Tutoriais

Santa Catarina - Conheça seu Estado

São Paulo - Conheça seu Estado

Paraná - Conheça seu Estado

Mato Grosso do Sul - Conheça seu Estado

Educação Infantil

Língua Portuguesa e Atualidades

Arte e Estética

TOP 50:


As festas populares no estado de São Paulo

Atividades extrativistas do estado de São Paulo

Adolf Hitler - Mein Kampf - Download

Áreas de preservação no estado de São Paulo

Assalto - Carlos Drummond de Andrade

Atividades extrativistas do Mato Grosso do Sul

Machado de Assis - O Alienista - PDF Download

Gonçalves Dias - Marabá

As festas populares no estado do Paraná

O tropeirismo no estado do Paraná

Biomas brasileiros

Bacias hidrográficas do estado de São Paulo

A população africana e a escravidão no Paraná

Áreas de preservação do estado do Paraná

Mário de Andrade - Macunaíma - Download

As comunidades quilombolas no Mato Grosso do Sul

As atividades econômicas do estado de São Paulo

Atividades extrativistas de Santa Catarina

Áreas de preservação do estado do Mato Grosso do Sul

Atividades extrativistas no Paraná

Os imigrantes no século XIX e XX no estado do Paraná

Jogos para Crianças - Dengue

As festas populares do Mato Grosso do Sul

Adolf Hitler - Mein Kampf - CAPÍTULO XI - POVO E RAÇA

Os biomas do estado do Mato Grosso do Sul

A urbanização do estado de São Paulo no início do século XX

Os índios Xetá do estado do Paraná

As atividades econômicas do Paraná

Clima e relevo do estado do Paraná

Machado de Assis - Memórias Póstumas de Brás Cubas - CAPÍTULO CXVII / O HUMANITISMO

Machado de Assis - Memórias Póstumas de Brás Cubas - CAPÍTULO CLX / DAS NEGATIVAS

Áreas de preservação do estado de Santa Catarina

O relevo do estado de São Paulo

As atividades econômicas de Santa Catarina

A organização do espaço geográfico brasileiro

O Diário de Anne Frank - Download

Gregorio de Matos - Ao braco do mesmo menino Jesus quando apareceu

Os imigrantes no estado de Santa Catarina no século XX

A imigração europeia no estado do Paraná

Machado de Assis - Dom Casmurro - CAPÍTULO LXII - UMA PONTA DE IAGO

A poluição do rio Iguaçu (maior rio do Paraná)

10. Mitologia Grega

Elizabeth Barrett Browning - Sonnet 43 - How Do I Love Thee?

A população indígena no estado de São Paulo em 2015

05. Religião – Idade Antiga

Machado de Assis - Esaú e Jacó - CAPÍTULO LXIII - TABULETA NOVA

A formação da cultura de Santa Catarina

Clima e relevo de Santa Catarina

Mário de Andrade - Macunaíma - Capítulo XVII - URSA MAIOR

A população africana no Brasil e a escravidão

Outros Links:


Obra completa de Machado de Assis

Machado de Assis - Dom Casmurro

Machado de Assis - Quincas Borba

Machado de Assis - Memórias Póstumas de Brás Cubas

O Diário de Anne Frank

Educação Infantil

Bíblia Online

História e Geografia

Casa do Sorvete

Sanderlei Silveira

Conheça seu Estado - História e Geografia

Poesia em Português, Inglês, Espanhol e Francês

Santa Catarina - História e Geografia

Paraná - História e Geografia

Mato Grosso do Sul - História e Geografia

São Paulo - História e Geografia

Mário de Andrade - Macunaíma

Adolf Hitler - Mein Kampf



quarta-feira, 29 de junho de 2016

32 - O início da colonização de São Paulo




Em 1548, diante das dificuldades de colonização das terras brasileiras e com o auxílio dos donatários das capitanias, o rei de Portugal decidiu adotar medidas mais concretas para administrar e colonizar o Brasil, criando o sistema de governo-geral, que centralizou a administração sem, contudo, acabar com o regime das capitanias hereditárias.
Para ser o responsável por esse órgão foi escolhido Tomé de Souza, navegador experiente em longas viagens marítimas à África e à Índia, que recebeu a capitania da Bahia, antes pertencente a Francisco Pereira de Coutinho, morto após um naufrágio por índios Tupinambá. Tomé de Souza fundou ali a cidade de Salvador, que depois se tornou a primeira capital do Brasil.
Este primeiro governador-geral trouxe para o Brasil mais de 1 000 pessoas, entre elas, funcionários para cuidar da administração, soldados e colonos. Foram criados cargos auxiliares, como ouvidor-mor (responsável pela justiça), provedor-mor (cobrança de impostos) e capitão-mor (defesa do litoral dos ataques inimigos). A presença dos primeiros jesuítas também foi admitida e ficavam encarregados da catequese dos indígenas.
Os jesuítas, pertencentes à Companhia de Jesus, foram muito importantes na conquista e na colonização do Brasil, desde a sua chegada em 1549, no governo-geral de Tomé de Souza, até 1759, quando foram expulsos do Brasil.

CALIXTO, Benedito. Anchieta e Nóbrega na cabana de Pindobuçu. 1927.


 CALIXTO, Benedito. Anchieta e Nóbrega na cabana de Pindobuçu.1927.
CALIXTO, Benedito. Anchieta e Nóbrega na cabana de Pindobuçu. 1927. Museu Paulista da USP.


A primeira vila do Brasil, fundada em 1532 e batizada de Vila de São Vicente, ficava na região que hoje pertence ao litoral paulista e, com o tempo, ficou bastante conhecida por traficantes de escravos que aportavam na região para abastecerem seus navios e repará-los a fim de que pudessem continuar sua viagem.
A região em que se localizava São Vicente, no entanto, apresentava muitas dificuldades naturais, pois a serra (atual Serra da Mantiqueira) era um obstáculo quase impossível de ser superado pelos colonizadores. Por esse motivo, a vila não prosperou como se imaginava.
Por sua vez, uma região vizinha – a do atual planalto paulista – possuía um clima estável, terrenos mais acessíveis, uma extensa rede de rios, além de uma vegetação que não dificultava muito a circulação de pessoas pelo seu interior.

LEGRAND, C. Padre António Vieira pregando aos índios. Ca. de 1841


  LEGRAND, C. Padre António Vieira pregando aos índios. Ca. de 1841
LEGRAND, C. Padre António Vieira pregando aos índios. Ca. de 1841. Litografia. Acervo do Arquivo Ultramarino de Portugal, Lisboa.


Em 1550, dois colégios jesuítas já funcionavam na Bahia e em São Vicente. Eles abrigavam meninos órfãos e visavam principalmente à formação de sacerdotes para auxiliar o trabalho missionário.
Com o passar do tempo, os colégios atenderam também os colonos e seus filhos, transformando-se nas únicas escolas então existentes. Além de difundir os ensinamentos religiosos, essas instituições ensinavam a ler e escrever, fornecendo os mínimos conhecimentos de que os colonos precisavam.
A atuação dos padres jesuítas com relação ao ensino era muito influenciada pela religião católica e pelos costumes e crenças europeias.
Em 1551 foi criado o primeiro bispado no Brasil, dando pleno impulso à atividade evangelizadora dos indígenas com a ação dos missionários.
Paralelamente à instituição e à atuação dos órgãos públicos ligados ao poder dos governadores-gerais, desenvolveu-se um poder de administração local nas vilas, por meio da criação das Câmaras Municipais.
As Câmaras Municipais eram controladas pelos chamados “homens bons”, proprietários de terras, de escravos e de gado que formavam a camada social dominante na colônia. As Câmaras, defendendo os interesses dos proprietários, fiscalizavam a atuação dos capitães e funcionários da Coroa portuguesa no Brasil. Também cuidavam de diversos assuntos, como fundação de vilas, cobrança de tributos, preços das mercadorias, expedições exploratórias, enfim, toda a administração dos municípios.
Com o segundo governador-geral, Duarte da Costa, cujo governo durou de 1553 a 1558, vieram mais jesuítas para o trabalho de catequese, entre eles os padres José de Anchieta e Manoel de Nóbrega que fundaram o Colégio de São Paulo, dando origem à cidade de São Paulo em 25 de janeiro 1554.

Pátio do colégio, marco zero da cidade de São Paulo.


 Pátio do colégio, marco zero da cidade de São Paulo.
Pátio do colégio, marco zero da cidade de São Paulo.


O terceiro governador-geral foi Mem de Sá, que promoveu a expulsão dos franceses da região onde foi fundada a cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, por seu sobrinho Estácio de Sá.
Na região do atual planalto paulista chegaram muitos colonos vindos do litoral e outros vindos da região do nordeste. Em sua maioria, não eram nobres, pelo contrário: eram pessoas que vinham por incentivo da Coroa portuguesa para a colonização efetiva das terras brasileiras.
Essas pessoas fundaram, com o tempo, pequenos núcleos de povoamento que tinham características bastante diferentes dos enormes engenhos coloniais da região nordeste. Esses núcleos também tiveram sua importância durante a colonização do Brasil e deixaram marcas profundas na cultura colonial brasileira, muitas das quais persistem até os nossos dias.
O estilo de vida desses povos que se instalaram na região sudeste do país contribuiu para a consolidação do movimento chamado de bandeiras, responsável por explorar terras que iam além do litoral, chegando ao interior do país.

SILVA, Oscar Pereira da. Fundação da Cidade de São Paulo. 1909.


 SILVA, Oscar Pereira da. Fundação da Cidade de São Paulo. 1909.
SILVA, Oscar Pereira da. Fundação da Cidade de São Paulo. 1909. Óleo sobre tela, 185 cm x 340 cm. Museu Paulista, São Paulo.










Links:


Sanderlei Silveira

Conheça seu Estado - História e Geografia

Poesia em Português, Inglês, Espanhol e Francês

Obra completa de Machado de Assis

História em 1 Minuto

Curso de Idiomas (Inglês e Espanhol)

Áudio Livro

Livros - Online

Billboard Hot 100 - Letras de Músicas

Developer - Treinamento, Manuais, Tutoriais

Santa Catarina - Conheça seu Estado

São Paulo - Conheça seu Estado

Paraná - Conheça seu Estado

Mato Grosso do Sul - Conheça seu Estado

Educação Infantil

Língua Portuguesa e Atualidades

Arte e Estética

TOP 50:


As festas populares no estado de São Paulo

Atividades extrativistas do estado de São Paulo

Adolf Hitler - Mein Kampf - Download

Áreas de preservação no estado de São Paulo

Assalto - Carlos Drummond de Andrade

Atividades extrativistas do Mato Grosso do Sul

Machado de Assis - O Alienista - PDF Download

Gonçalves Dias - Marabá

As festas populares no estado do Paraná

O tropeirismo no estado do Paraná

Biomas brasileiros

Bacias hidrográficas do estado de São Paulo

A população africana e a escravidão no Paraná

Áreas de preservação do estado do Paraná

Mário de Andrade - Macunaíma - Download

As comunidades quilombolas no Mato Grosso do Sul

As atividades econômicas do estado de São Paulo

Atividades extrativistas de Santa Catarina

Áreas de preservação do estado do Mato Grosso do Sul

Atividades extrativistas no Paraná

Os imigrantes no século XIX e XX no estado do Paraná

Jogos para Crianças - Dengue

As festas populares do Mato Grosso do Sul

Adolf Hitler - Mein Kampf - CAPÍTULO XI - POVO E RAÇA

Os biomas do estado do Mato Grosso do Sul

A urbanização do estado de São Paulo no início do século XX

Os índios Xetá do estado do Paraná

As atividades econômicas do Paraná

Clima e relevo do estado do Paraná

Machado de Assis - Memórias Póstumas de Brás Cubas - CAPÍTULO CXVII / O HUMANITISMO

Machado de Assis - Memórias Póstumas de Brás Cubas - CAPÍTULO CLX / DAS NEGATIVAS

Áreas de preservação do estado de Santa Catarina

O relevo do estado de São Paulo

As atividades econômicas de Santa Catarina

A organização do espaço geográfico brasileiro

O Diário de Anne Frank - Download

Gregorio de Matos - Ao braco do mesmo menino Jesus quando apareceu

Os imigrantes no estado de Santa Catarina no século XX

A imigração europeia no estado do Paraná

Machado de Assis - Dom Casmurro - CAPÍTULO LXII - UMA PONTA DE IAGO

A poluição do rio Iguaçu (maior rio do Paraná)

10. Mitologia Grega

Elizabeth Barrett Browning - Sonnet 43 - How Do I Love Thee?

A população indígena no estado de São Paulo em 2015

05. Religião – Idade Antiga

Machado de Assis - Esaú e Jacó - CAPÍTULO LXIII - TABULETA NOVA

A formação da cultura de Santa Catarina

Clima e relevo de Santa Catarina

Mário de Andrade - Macunaíma - Capítulo XVII - URSA MAIOR

A população africana no Brasil e a escravidão

Outros Links:


Obra completa de Machado de Assis

Machado de Assis - Dom Casmurro

Machado de Assis - Quincas Borba

Machado de Assis - Memórias Póstumas de Brás Cubas

O Diário de Anne Frank

Educação Infantil

Bíblia Online

História e Geografia

Casa do Sorvete

Sanderlei Silveira

Conheça seu Estado - História e Geografia

Poesia em Português, Inglês, Espanhol e Francês

Santa Catarina - História e Geografia

Paraná - História e Geografia

Mato Grosso do Sul - História e Geografia

São Paulo - História e Geografia

Mário de Andrade - Macunaíma

Adolf Hitler - Mein Kampf



terça-feira, 28 de junho de 2016

31 - A população indígena no estado de São Paulo em 2016







A partir da década de 1950, os Mbyá passaram a ser a população indígena que mais cresceu no litoral paulista. Os Guarani, Nhandéva e Mbyá são estimados, hoje, no estado de São Paulo, em torno de 1 600 pessoas que ocupam 15 áreas, entre acampamentos temporários e áreas permanentes.
A Reserva Indígena Guarani do Rio Silveira, por exemplo, possui uma área de 948 hectares, localizada na Mata Atlântica, faz divisa com os municípios de Bertioga e São Sebastião. Situada na região sul do município, no bairro de Boracéia, fica a 60 km, aproximadamente, do Centro Histórico de São Sebastião. Tanto essa comunidade como as da Aldeia Boa Vista, em Ubatuba, os indígenas do Posto Indígena Araribá, nos municípios de Bauru e Avaí e os do Posto Indígena Vanuíre, nos municípios de Arco-Íris e Tupã, no interior do estado, que tem alguma importância turística, têm encontrado apoio das prefeituras para iniciativas, como projetos de autossustentação econômica, educação diferenciada e formação de agentes de saúde indígenas.
Contudo, pesquisas recentes revelam que a situação de saúde dos povos indígenas em São Paulo necessita urgentemente de atenção por parte das autoridades, principalmente, para aqueles que vivem em péssimas condições em aldeias e favelas da Grande São Paulo e do litoral paulista.
A Constituição brasileira de 1988 definiu as regras para a demarcação das terras indígenas, que são consideradas da União. O direito de usá-las depende da demarcação, fato este que demanda muito tempo e vontade política, além do conflito de interesses. Os índios enfrentam posseiros que querem ocupar suas terras e madeireiros que tentam retirar as madeiras de seus territórios para um comércio lucrativo.

Distribuição de municípios com aldeias no estado de São Paulo


 Distribuição de municípios com aldeias no estado de São Paulo
Distribuição de municípios com aldeias no estado de São Paulo




Habitantes, etnia e idioma por aldeia indígena do estado de São Paulo



Aldeia

Etnia

Idioma

Subtotais

Polo Base Bauru946
KopenotyTerena / Guarani / Caingangue/ KrenacAruaque / Macro-jê199
EkeruáTerenaAruaque135
NimuendajuGuarani / TerenaTupi-guarani87
PyaúGuaraniTupi-guarani71
IcatuTerena / Caingangue /KrenacAruaque / Macro-jê136
VanuireTerena / Caingangue /KrenacAruaque / Macro-jê197
TereguáGuarani / TerenaTupi-guarani98
Tekoá PorãGuaraniTupi-guarani23
Polo Base São Paulo3.113
Tenondé PorãGuaraniGuarani954
KrukutuGuaraniGuarani291
JaraguáGuaraniGuarani530
PankararuPankararuIati1.338
Polo Base Litoral Norte549
Rio SilveiraGuaraniGuarani388
Boa VistaGuaraniGuarani144
RenascerTupi-guaraniTupi-guarani17
Polo Base Peruíbe123
BananalTupi-guaraniTupi-guarani31
ParaísoTupi-guaraniTupi-guarani9
Uru ItyGuaraniGuarani27
DjakoatyTupi-guaraniTupi-guarani18
AmbaporãGuaraniGuarani28
Rio AzeiteTupi-guaraniTupi-guarani8
CapoeirãoGuaraniGuarani2
Polo Base Mongaguá623
ParanapuãGuaraniGuarani95
AguapeúGuaraniGuarani57
ItaócaGuarani / Tupi-guaraniTupi-guarani196
PiaçagueraTupi-guaraniTupi-guarani142
Rio BrancoGuaraniGuarani68
AldeinhaTupi-guaraniTupi-guarani65
Polo Base Registro291
PeguaotyGuaraniGuarani77
PindotyGuaraniGuarani67
Pakurity/ Santa CruzGuaraniGuarani46
Tapyi/ Rio BranquinhoGuaraniGuarani37
Guavira/ SubaumaGuaraniGuarani11
JacareyGuaraniGuarani8
Ilha Cardoso – CananéiaGuaraniGuarani22
ItaguaGuaraniGuarani23

Subtotal

5.645



Nota: O número de habitantes por aldeia pode variar, principalmente, entre os indígenas da etnia Guarani Mbyá, em virtude do hábito, próprio da cultura, de mudança de aldeia. Essa etnia migra com frequência para aldeias situadas nos estados do Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.


A população indígena no estado de São Paulo em 2016


 A população indígena no estado de São Paulo em 2016
A população indígena no estado de São Paulo em 2016



Os índios nos dias de hoje


  Os índios nos dias de hoje
Os índios nos dias de hoje



A população indígena no estado de São Paulo em 2016


 A população indígena no estado de São Paulo em 2016
A população indígena no estado de São Paulo em 2016





Links:


Sanderlei Silveira

Conheça seu Estado - História e Geografia

Poesia em Português, Inglês, Espanhol e Francês

Obra completa de Machado de Assis

História em 1 Minuto

Curso de Idiomas (Inglês e Espanhol)

Áudio Livro

Livros - Online

Billboard Hot 100 - Letras de Músicas

Developer - Treinamento, Manuais, Tutoriais

Santa Catarina - Conheça seu Estado

São Paulo - Conheça seu Estado

Paraná - Conheça seu Estado

Mato Grosso do Sul - Conheça seu Estado

Educação Infantil

Língua Portuguesa e Atualidades

Arte e Estética

TOP 50:


As festas populares no estado de São Paulo

Atividades extrativistas do estado de São Paulo

Adolf Hitler - Mein Kampf - Download

Áreas de preservação no estado de São Paulo

Assalto - Carlos Drummond de Andrade

Atividades extrativistas do Mato Grosso do Sul

Machado de Assis - O Alienista - PDF Download

Gonçalves Dias - Marabá

As festas populares no estado do Paraná

O tropeirismo no estado do Paraná

Biomas brasileiros

Bacias hidrográficas do estado de São Paulo

A população africana e a escravidão no Paraná

Áreas de preservação do estado do Paraná

Mário de Andrade - Macunaíma - Download

As comunidades quilombolas no Mato Grosso do Sul

As atividades econômicas do estado de São Paulo

Atividades extrativistas de Santa Catarina

Áreas de preservação do estado do Mato Grosso do Sul

Atividades extrativistas no Paraná

Os imigrantes no século XIX e XX no estado do Paraná

Jogos para Crianças - Dengue

As festas populares do Mato Grosso do Sul

Adolf Hitler - Mein Kampf - CAPÍTULO XI - POVO E RAÇA

Os biomas do estado do Mato Grosso do Sul

A urbanização do estado de São Paulo no início do século XX

Os índios Xetá do estado do Paraná

As atividades econômicas do Paraná

Clima e relevo do estado do Paraná

Machado de Assis - Memórias Póstumas de Brás Cubas - CAPÍTULO CXVII / O HUMANITISMO

Machado de Assis - Memórias Póstumas de Brás Cubas - CAPÍTULO CLX / DAS NEGATIVAS

Áreas de preservação do estado de Santa Catarina

O relevo do estado de São Paulo

As atividades econômicas de Santa Catarina

A organização do espaço geográfico brasileiro

O Diário de Anne Frank - Download

Gregorio de Matos - Ao braco do mesmo menino Jesus quando apareceu

Os imigrantes no estado de Santa Catarina no século XX

A imigração europeia no estado do Paraná

Machado de Assis - Dom Casmurro - CAPÍTULO LXII - UMA PONTA DE IAGO

A poluição do rio Iguaçu (maior rio do Paraná)

10. Mitologia Grega

Elizabeth Barrett Browning - Sonnet 43 - How Do I Love Thee?

A população indígena no estado de São Paulo em 2015

05. Religião – Idade Antiga

Machado de Assis - Esaú e Jacó - CAPÍTULO LXIII - TABULETA NOVA

A formação da cultura de Santa Catarina

Clima e relevo de Santa Catarina

Mário de Andrade - Macunaíma - Capítulo XVII - URSA MAIOR

A população africana no Brasil e a escravidão

Outros Links:


Obra completa de Machado de Assis

Machado de Assis - Dom Casmurro

Machado de Assis - Quincas Borba

Machado de Assis - Memórias Póstumas de Brás Cubas

O Diário de Anne Frank

Educação Infantil

Bíblia Online

História e Geografia

Casa do Sorvete

Sanderlei Silveira

Conheça seu Estado - História e Geografia

Poesia em Português, Inglês, Espanhol e Francês

Santa Catarina - História e Geografia

Paraná - História e Geografia

Mato Grosso do Sul - História e Geografia

São Paulo - História e Geografia

Mário de Andrade - Macunaíma

Adolf Hitler - Mein Kampf